penafielmagazine@gmail.com

Notícias em Penafiel
 

CIM TÂMEGA E SOUSA EMPENHADA NO FOMENTO DA ECONOMIA LOCAL

Em entrevista concedida ao Penafiel Magazine, Telmo Pinto, primeiro secretário executivo da CIM-TS, fala do empenho da Comunidade Intermunicipal no apoio das micro e pequenas empresas da região e consequente fomento da economia local capaz enfrentar os novos desafios provocados pelo COVID-19.

 

“Estamos a negociar com a Autoridade de Gestão e com o próprio Governo para que este território possa aceder a fundos para apoiar a economia local. Temos um conjunto de oportunidades que é preciso agarrar e estou confiante que o nosso território vai concretizar rapidamente estes apoios que estamos a reprogramar, para podermos responder a esta crise que estamos a vivenciar”, comenta Telmo Pinto.

O forte investimento na reprogramação de verbas para o desenvolvimento económico tem como objetivo ajudar a região, nomeadamente as micro, pequenas e médias empresas que estão a passar por muitas dificuldades. 

No seguimento da reprogramação de fundos comunitários, a CIM-TS transferiu verbas do Fundo Social Europeu para o FEDER, o que permite não só criar emprego, mas também apoiar pequenos investimentos, uma decisão estratégica para as empresas se adaptarem à nova realidade. Também serão disponibilizados apoios para grandes empresas da região, sobretudo através de fundos por via do programa Norte 2020.

“Vamos ter cerca de 11 milhões de euros para apoiar pequenas iniciativas, pequenos investimentos nas empresas de menor dimensão, disponibilizando apoios para que possam realizar pequenas operações na sua gestão empresarial, que muitas vezes são estratégicas, até para se adaptarem a esta nova realidade”, adianta.

Preocupada também com o setor primário, a CIM-TS está a fazer um trabalho de diagnóstico, a cerca de duas centenas de produtores dos 11 Municípios da Comunidade Intermunicipal com o objetivo de perceber o que estão a produzir, de que forma estão a comercializar os seus produtos e se têm capacidade para produzir em maior quantidade. A par disso, a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa está também a fazer um levantamento junto dos estabelecimentos comerciais, como as mercearias, minimercados, supermercados e grandes supermercados para saber que produtos estão a vender e se têm condições para comprar a produtores locais. 

Refira-se ainda que muitos Municípios têm a responsabilidade de gerir as refeições escolares, desde o ensino pré-escolar até ao secundário, e existe uma grande oportunidade para as produções locais. Como tal, a CIM-TS está a trabalhar com as escolas e parceiros para perceber o funcionamento das cantinas escolares e se existe a possibilidade de adquirir produtos dentro do território do Tâmega e Sousa. A Comunidade Intermunicipal também está a fazer um trabalho de levantamento com as IPSS’s, com o objetivo de perceber como fazem as suas compras alimentares.  

Com este levantamento, a CIM-TS quer “tornar possível, dentro do quadro legal, a venda e a contratação pública (através da nossa central de compras) para que os Municípios, escolas, IPSS’s possam adquirir os produtos do território”, frisa o primeiro secretário executivo da Comunidade Intermunicipal. 

Criar uma bio região é também um dos objetivos da CIM, uma vez que estão a apostar na certificação de produtos, na área da produção alimentar. 

“Temos de nos organizar para produzir de forma local, mas também consumir a nível local. As escolas e as IPSS’s são um espaço de desenvolvimento que devem estar integrados com as produções locais”, salienta Telmo Pinto.

Sobre a dinamização do turismo na região, o secretário-geral da CIM-TS afirma que, apesar do forte impacto económico que este setor está a ter, já começa a existir mais procura “até porque o interior passou a ser uma oportunidade” de exploração de lugares, até então desconhecidos ou pouco valorizados pelos turistas.

“A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa é sempre um parceiro estratégico que dá respostas afirmativas e dinâmicas. Como parceiro também de desenvolvimento, disponibilizamos recursos para as empresas e instituições, com o objetivo de sermos um fator de união e criação de valor para o nosso território”, conclui.