penafielmagazine@gmail.com

Notícias em Penafiel
 

PRESÉPIO DE ENCANTOS PARA VER NO MUSEU DA BROA DE CAPELA

O Museu da Broa, na freguesia da Capela, acolhe, há cerca de uma década, um dos mais emblemáticos presépios concelho de Penafiel. Uma iniciativa que nasceu da vontade e esforço de habitantes, associações e autarquia locais.

A montagem deste presépio, com imagens de grande dimensão, consiste em cinco dezenas de peças e integra a paisagem dominada pelos moinhos de água tradicionais e o ribeiro da Tronqueira.

Ao PENAFIEL MAGAZINE, o presidente da autarquia, Manuel Alves, sublinhou a beleza de todo o cenário e que o tempo chuvoso, em particular, está a dar um “ar especial” à montagem.

“O ribeiro está com muita água, dá um toque muito bonito ao presépio”, adiantou.

O autarca explicou que o projeto, que nasceu perto da igreja da freguesia, há cerca de 10 anos, em ponto mais pequeno, mudou para o museu, nos atuais moldes, há cerca de sete.

“Decidiu-se que o museu seria o local mais indicado para montar o presépio, juntando-se aqui o útil ao agradável”, acrescentou.

O trabalho é realizado pelas associações CECA- Centro Convívio da Jovens de Capela e Só Descidas, com o patrocínio da junta de freguesia de Capela.

As cerca de 50 peças são preparadas pelo presidente da CECA, Celso Moreira, “uma pessoa que tem jeito para estas coisas”, anotou Manuel Alves.

O autarca recordou, ainda, o cenário de pandemia atual, explicando que está a pedir às pessoas “responsabilidade”, sobretudo, nas visitas.

“Pede-se que observem as regras do distanciamento e uso de máscara”, salientou, frisando que, ao contrário de edições anteriores, não houve cerimónia de inauguração, este ano.

“Normalmente recreamos aqui uma grande festa, mas este ano decidimos que não seria viável. Nem chegamos a anunciar a data de inauguração, apenas anunciamos que já estava montado”, concluiu.

O Museu da Broa, instalado em Capela há cerca de 20 anos, tem os espaços exteriores abertos ao público, mas suspendeu, por tempo indeterminado, todas as atividades e visitas guiadas.

 

Texto: Paulo Alexandre Teixeira