Slider

Banda Musical de Rio de Moinhos comemorou 114 anos com cerimónia simbólica

A Banda Musical e Cultural de Rio de Moinhos celebrou, a 1 de maio, 114 anos de existência com uma cerimónia simbólica, que visou “marcar a data” e mostrar que “a associação está viva”, revelou o presidente da direção da associação.

 

Ao Penafiel Magazine, João Lourenço explicou que na manhã do dia de aniversário foi hasteada a bandeira por alguns membros da direção e foi colocada uma coroa de flores no cemitério para homenagear os falecidos colaboradores da banda.

“Foi uma coisa muito singela para não haver grandes ajuntamentos. Foi mesmo para marcar a data. Cento e catorze anos não são 114 dias e foi também para mostrar que nós estamos vivos e funcionamos, apesar de estar tudo parado”, referiu João Lourenço.

A Banda Musical e Cultural de Rio de Moinhos está parada há quase um ano e meio, por causa das restrições impostas pela pandemia da covid-19.

Em média, a associação realiza por ano 25 concertos. Em 2020, tinha 20 contratos celebrados e realizou apenas um, a 1 de janeiro.

A direção da associação assume estar a viver uma “fase complicada”, sobretudo do ponto de vista financeiro

“A situação não é nada famosa, porque não havendo festas e concertos, que é a nossa única fonte de rendimento, estamos a viver um bocadinho à custa de benfeitores e alguns subsídios que temos da Câmara Municipal e junta de freguesia. Há despesas que são fixas, tenhamos serviços ou não, temos que as pagar”, explicou João Lourenço.

 

Paragem na atividade mexe com lado emocional dos elementos do grupo

A paragem da atividade da banda está também a mexer com o lado emocional dos elementos do grupo.

“Todos os músicos estão ansiosos para voltar ao ativo a cem por cento. A banda é quase uma segunda família e é quase como nós não podermos voltar a estar com a nossa família. Então estão todos um bocadinho apreensivos para ver quando é que isto começa a trabalhar a cem por cento”, acrescentou o presidente da direção.

Sem perspetiva para regressar aos concertos, a direção da Banda Musical e Cultural de Rio de Moinhos vai retomar, em breve, os ensaios “com pequenos grupos”, com o objetivo de “recuperar o tempo perdido”.

“Se não ensaiamos, em vez de progredirmos vamos regredir um bocadinho. Quando começarmos a trabalhar vamos ter que fazer um trabalho quase de início. Sendo que muitos músicos não são profissionais, não se dedicam tanto ao instrumento, sabemos que vamos ter que fazer um esforço acrescido para recuperar o perdido”, disse João Lourenço.

À semelhança de muitas outras coletividades culturais, a Banda Musical de Rio de Moinhos vive dias de “incerteza” em relação do futuro da sua atividade, por isso o presidente da direção assume não ter projetos a longo prazo.

“Para já o nosso grande objetivo é mesmo iniciar os trabalhos e os concertos. Depois vamos ver o que nos trás os próximos tempos”, concluiu João Lourenço.

Fundada a 1 de maio de 1907, a Banda Musical e Cultural de Rio de Moinhos é uma instituição de utilidade pública composta por cerca de 70 elementos.