Slider

Bombeiros de Penafiel homenageiam antigo presidente nas comemorações do 140.º aniversário

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penafiel (AHBVP) vai homenagear, no domingo, a título póstumo o antigo presidente da direção Júlio Mesquita.

 

A homenagem ao falecido professor, que dirigiu a corporação durante dois mandatos e que ocupava o cargo de presidente da assembleia geral quando morreu em maio de 2020, estará integrada no programa de comemorações dos 140 anos da instituição, avançou ao Penafiel Magazine o atual presidente da corporação.

“Ele merece. Foi uma pessoa dedicada ao associativismo. É um filantropo também. É uma pessoa que deixou a sua marca e que tem que ser relevado”, explicou Eduardo Nunes.

As comemorações dos 140 anos dos Bombeiros Voluntários de Penafiel vão, ainda, ser marcadas pela apresentação de duas novas viaturas, na manhã do dia 11 de julho.

“Vamos fazer a bênção de um veículo de transporte de doentes e vamos apresentar uma ambulância de transporte múltiplo, que adquirimos agora também, mas que não vai já ser benzida porque não está completa”, indicou o presidente da corporação, salientando:

“As duas viaturas foram adquiridas pela corporação. Eram uma necessidade premente para melhor socorrermos e darmos apoio ao transporte de doentes”.

Devido às restrições impostas pela pandemia da covid-19, as celebrações do 140.º aniversário da AHBV de Penafiel vão ser restritas ao corpo de bombeiros, órgãos sociais, assim como membros da Câmara Municipal de Penafiel, do Comando Operacional Distrital do Porto (CODIS), da Liga dos Bombeiros Portugueses e Federação de Bombeiros do Distrito do Porto.

A comemoração, refere ainda o presidente da direção, “não vai ser como era, porque não haverá festejos a seguir” à formatura e discursos das entidades.

Contudo, Eduardo Nunes lembra que os Bombeiros de Penafiel são “uma das associações mais antigas do distrito e também a nível nacional” e, por isso, acrescenta, “a data é muito significativa”.

“É uma data de grande importância e de grande relevo que mostra também no século em que estamos, a nossa vitalidade e que somos neste momento uma das associações de maior prestígio a nível nacional”, salientou.

Foi a 06 de julho de 1881 que foi criada a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penafiel.

Na terça-feira, a data será assinalada de forma simbólica, com o hastear das bandeiras e uma salva de foguetes, no quartel da corporação. De seguida haverá uma romagem aos cemitérios das freguesias da área de abrangência da corporação.

 

Pandemia provocou prejuízos na ordem dos 45% na corporação

Apesar de garantir que as finanças da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penafiel “estão suportáveis”, o presidente da direção não deixa de lamentar os prejuízos que a pandemia da covid-19 provocou na instituição.

“Tivemos quebras de faturação na ordem dos 45%. Os resultados são mais curtos, mais diminutos, relacionados com a pandemia”, referiu Eduardo Nunes.

“Deixamos de fazer transportes. A própria administração regional de saúde parou. Nós só fizemos aquele tipo de trabalho para pagar aos nossos assalariados”, explicou o presidente dos Bombeiros de Penafiel, acrescentando:

“O Hospital de Penafiel não nos paga um cêntimo desde dezembro. A nós e às outras corporações do distrito do Porto”.

“Vai-se aguentando, mas com muito sacrifício e muito boa vontade de todos”, concluiu.