Slider

CDS/Paredes pede demissão do presidente da câmara (PS) que acusa de mentir

O CDS-PP de Paredes pediu hoje a demissão do presidente da câmara, Alexandre Almeida (PS), acusando o autarca de ter mentido à população na questão do equipamento de resíduos anunciado para a localidade de Baltar.

 

“A Comissão Política do CDS/Paredes considera que Alexandre Almeida deve demitir-se imediatamente de todas as funções públicas, para não prejudicar mais o concelho de Paredes”, lê-se num comunicado enviado à Lusa.

Segundo os democratas-cristãos, o presidente daquela câmara do distrito do Porto já apresentou duas versões diferentes do “relatório preliminar para a construção da fábrica do lixo em Baltar”.

“Na primeira versão, na página sete, afirma-se que em fase posterior, a unidade integrará uma linha direcionada para o tratamento dos resíduos indiferenciados produzidos na sua área de abrangência. Agora, o novo documento, a versão dois, retirou este período”, acrescenta-se no comunicado.

O CDS-PP conclui que a Ambisousa, empresa intermunicipal do Vale do Sousa que vai construir o equipamento, e o autarca de Paredes “ficam com dois documentos para apresentar consoante as necessidades”.

“Para concorrer aos fundos comunitários apresenta a primeira versão, que afirma que todo o lixo dos seis concelhos do Vale do Sousa vai para Baltar, para enganar todos os paredenses usa segunda versão e esconde a verdade”, acrescenta aquele partido.

“Perante mais esta grave mentira de Alexandre Almeida”, o CDS-PP de Paredes “exige um pedido de desculpas público” do autarca “a todos os habitantes do concelho de Paredes”.

Sobre esta matéria, fonte da autarquia disse hoje Lusa não haver nada a acrescentar sobre o assunto, relativamente aos esclarecimentos que já foram dados.

Refere-se, ainda, que está prevista para sábado a visita a um equipamento similar da Lipor, por parte de elementos da comissão de acompanhamento criada recentemente no âmbito deste processo.

O município de Paredes lamenta, por fim, a “desinformação” e o “aproveitamento político da oposição” em torno deste caso.

No dia 01 de julho, o presidente Alexandre Almeida anunciou que pedira um estudo de impacto ambiental à Empresa Intermunicipal de Tratamento de Gestão de Resíduos Sólidos – Ambisousa – sobre a instalação de uma unidade de valorização orgânica de resíduos, em Baltar.

O autarca avançou, ainda, que foi solicitado um parecer à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) sobre o assunto.

A instalação da unidade de valorização orgânica de resíduos recolhidos seletivamente, representa um investimento de 18 milhões de euros, a instalar até 2023, na zona industrial de Parada/Baltar, servindo seis municípios do Vale do Sousa (Felgueiras, Lousada, Paços de Ferreira, Penafiel, Paredes e Castelo de Paiva).

 

APM // LIL

Lusa/fim