Slider

Covid-19: Paredes com satisfação em passar à quarta fase de desconfinamento

O presidente da Câmara de Paredes disse hoje que o concelho acolheu com “grande satisfação” a indicação das autoridades de saúde de avançar para a quarta fase de desconfinamento da pandemia de covid-19.

 

“Esta notícia do anúncio no Conselho de Ministros desta quinta-feira, que Paredes avança para a quarta fase de desconfinamento, foi acolhida naturalmente com grande satisfação”, assinalou hoje Alexandre Almeida, em declarações à agência Lusa.

Esta tarde, na conferência de imprensa após a reunião semanal do Conselho de Ministros, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou que Paredes – que tinha recuado à terceira fase de desconfinamento – vai avançar para a quarta, a par da generalidade do país, depois de recuperarem dos níveis de incidência da covid-19.

Segundo o autarca do distrito do Porto, “o facto de Paredes avançar para a quarta fase do desconfinamento vai permitir sobretudo aos comércios, restaurantes e cafés estarem abertos ao fim de semana, possibilitando a retoma da atividade económica destes negócios”.

O presidente da câmara agradece “à população paredense o empenho e o esforço que tem sido feito para conter a pandemia”.

“Sublinho o grande contributo de todos, apelo, ainda, para continuarmos estes esforços, uma vez que a situação pandémica não terminou, devendo a população estar consciente e responsável dos cuidados e regras de proteção a manter em benefício da saúde de todos”, acrescentou.

Alexandre Almeida indicou ainda que “esta evolução positiva no sentido descendente do número de infetados deve-se, também, ao processo de vacinação que está a decorrer a bom ritmo em Paredes, sendo ministradas cerca de mil vacinas por dia, tendo atingido no passado sábado a meta das 1200 vacinas”.

“No Concelho de Paredes foram já vacinadas cerca de 20 mil pessoas”, informou o edil.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados na região 5.126 casos de infeção, tendo ocorrido 4.765 recuperações e 31 mortes. Saíram do arquipélago sem terem sido dadas como curadas 79 pessoas e 45 apresentaram comprovativo de cura anterior.

 

APM// ACG

Lusa/fim