Slider

Feira das cebolas começa domingo em Penafiel e vai durar 10 dias

A tradicional feira das cebolas do concelho de Penafiel começa domingo e vai durar 10 dias, informou a organização.

 

Aquela que é também conhecida como a Feira de São Bartolomeu, promovida pela Confraria do Presunto e da Cebola do Tâmega e Sousa, em parceria com a Câmara Municipal de Penafiel, vai realizar-se, como é habitual, na Avenida Gaspar Baltar, junto ao Santuário do Sameiro, até ao dia 25 de agosto.

O certame, avançou ao Penafiel Magazine a organização, deverá contar com a presença de “entre 30 a 40 produtores”.

“Há produtores que estão já a vender a cebola no campo e por isso já não a vão levar para a feira”, especificou Joaquim Ferreira, grão-mestre da Confraria do Presunto e da Cebola do Tâmega e Sousa, salientando que “este ano há uma boa produção de cebola” e por isso a expectativa de vendas, acrescenta, “é ultrapassar as 300 toneladas”.

“Fizemos uma visita aos produtores e percebemos que a qualidade da cebola, este ano, está muitíssimo boa e a nível da quantidade, temos mais que o ano passado”, referiu o líder da confraria, indicando que em 2020 foram vendidas cerca de 200 toneladas de cebola na feira de Penafiel.

O habitual concurso para eleger a melhor cebola garrafal, avançou ainda, vai realizar-se no dia 20 de agosto, às 10:00, e a entrega de prémios acontece a 24 de agosto, dia de S. Bartolomeu, a partir das 10:00.

“Uma vez que não há Agrival serão os confrades e a Câmara Municipal que vão entregar os prémios aos produtores que venceram a competição. Vamos fazer o desfile pela Avenida Gaspar Baltar, falando com todos os produtores de cebola e depois é que vamos entregar os prémios no Santuário do Sameiro”, detalhou Joaquim Ferreira.

Quanto à realização da entronização de novos confrades, que costuma realizar-se também no dia de S. Bartolomeu e integrado no programa da Agrival, a Confraria do Presunto e da Cebola do Tâmega e Sousa indica que “este ano não haverá capítulo”.

“Nós somos uma confraria muito grande. O nosso capítulo envolve sempre na ordem das 300 a 400 pessoas. Como não se pode fazer grandes ajuntamentos é por essa razão que não o vamos realizar. Além disso, como não há Agrival, achamos que não tem um certo sentido fazer o nosso capítulo, que nasceu aí”, argumentou o grão-mestre.