Slider

JOAQUIM CARVALHINHO – O NAVEGADOR DE PENAFIEL QUE VENCEU O RALI DA MADEIRA

Joaquim Carvalhinho é um copiloto natural de Penafiel que, entre os finais da década de 80 e a primeira metade da década de 90, registou um percurso interessante no rali português, com quatro triunfos e vários outros pódios em competições oficiais.

Fazendo uma dupla de boa qualidade com o piloto Luís Silva, Joaquim Carvalhinho obteve um resultado assinalável no afamado Rali Vinho da Madeira, quando esta dupla venceu, em 1993, a prova na classe A5 ao volante de um Seat Ibiza 1.5 SXi, numa edição que foi ganha na geral absoluta pelo belga Patrick Snijers que, no ano seguinte, seria o campeão europeu de ralis.

Na sua carreira, Joaquim Carvalhinho conquistaria mais três triunfos em provas federadas oficiais. A primeira de sempre foi no Rali Cidade de Abrantes, em 1988, com um Seat Marbella GL, na classe A5, numa época em que chegaria aos pódios do Rali Alto Douro, Vinho Alvarinho e Vila Nova de Famalicão.

Depois de, em 1989, a dupla Luís Silva-Joaquim Carvalhinho ter registado um segundo lugar no Rali do Centro-Sátão e em Mondim de Basto, com a mesma viatura e a mesma classe, 1990 foi o ano em que a dupla venceria na classe A5 o Rali Esso/Futebol Clube do Porto, que foi ganho na geral pelo Toyota Celica GT-4 de António Coutinho, um dos melhores pilotos de rali portugueses da altura.

A vitória que resta lembrar foi obtida na sequência de uma sensacional prestação no Rali Solverde, em 1994. O piloto era, neste caso, Rodrigo Ferreira, e o carro era um Peugeot 205 GTI, pertencente à classe A7. Nesta prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis, que foi ganha na geral por Fernando Peres e Ricardo Caldeira, com um Ford Escort RS Cosworth, Joaquim Carvalhinho não só venceu a classe, como chegaria a um sensacional quinto lugar na geral absoluta, outro dos grandes feitos de um honroso percurso.