Slider

PAREDES: Deputados do PSD alertam para “falta de condições” da secundária de Rebordosa

Uma delegação de deputados do PSD eleitos pelo círculo do Porto, liderada pelo deputado de Penafiel, António Cunha, alterou para a “falta de condições condignas para a comunidade escolar” da escola secundária de Rebordosa, no concelho de Paredes.

 

A delegação, da qual fizeram ainda parte Carla Barros, Sofia Matos e Márcia Passo, visitou o estabelecimento escolar a convite do presidente da concelhia do PSD Paredes, Ricardo Sousa.

Aquela escola foi reabilitada, num investimento de cerca de dois milhões de euros.

Os sociais-democratas alertaram, nomeadamente, para “a falta de condições para os estudantes com deficiência, mormente aqueles que sofrem de mobilidade reduzida”.

“O grupo parlamentar do PSD irá intervir na Assembleia da República sobre esta ineficácia das obras e pedir responsabilidades ao Governo sobre esta matéria, bem como à Câmara Municipal de Paredes como entidade responsável nesta parceria e fiscalizadora da obra que ainda decorre, e decorrerá, apesar dos prazos estabelecidos”, alerta António Cunha.

De acordo com o deputado, “não existiu um planeamento sério para a execução da obra”.

 

 

“As acessibilidades para alunos com deficiência motora são inexistentes, o acesso ao pavilhão não permite a entrada de uma ambulância em caso de urgência, as portas – em caso de incêndio ou outro fator que exija uma saída rápida – abrem de fora para dentro, o que contraria completamente a Lei no que concerne à segurança de pessoas”, acrescentou.

Outros problemas na escola foram apontados por António Cunha, adiantando que “irá ser convidado o ministro da Educação, bem como Alexandre Almeida, o edil de Paredes, a saírem do gabinete e visitarem a obra, inacabada e sem condições para estudantes e professores na EB Secundária de Rebordosa”.

Também o líder do PSD Paredes, Ricardo Sousa, manifestou preocupação com a “falta de condições existentes naquele espaço para os jovens que aqui estudam nomeadamente para aqueles que mais dificuldades têm em termos físicos”.

“Estamos no século XX1, Alexandre Almeida deveria ter mais atenção com os nossos filhos que necessitam de melhores atenções devido à sua incapacidade física. Alexandre Almeida preocupa-se mais com o processo eleitoral do que com fatores que prejudicam famílias e famílias, conforme o já tem demonstrado com a pandemia, situação pela qual Paredes continua a ser um concelho de risco”, referiu