Slider

Paredes avança com projeto de corrida e marcha para promover a saúde e inclusão

A Câmara de Paredes lançou, na sexta-feira, um projeto que visa a dinamização de atividades de corrida e marcha com o objetivo de promover estilos de vida saudáveis e a inclusão social através do desporto.

 

O projeto foi lançado no Centro de Marcha e Corrida, no Parque da Cidade, e designa-se de “Sou livre de ser saudável”.

O objetivo é que as pessoas voltem a fazer exercício e se relacionem através de iniciativas não competitivas propostas na plataforma

Os desafios do Município de Paredes à população para que caminhe e corra arrancam em maio, com um exercício de 22 quilómetros e outro de 55 quilómetros. O último evento decorre em setembro, na Semana Europeia do Desporto, com um desafio de grupo, cujo objetivo será alcançar os 100 mil quilómetros.

 

 

A colaborar com a Câmara Municipal de Paredes na dinamização das atividades do projeto “Sou livre de ser saudável” vão estar o CLDS 4G, a Associação Noturnos de Paredes, o Centro Cultural e Recreativo de Vilarinho de Baixo – Kemedo Team, a Associação ParJovem e a Associação Paredes Aventura.

“Estas entidades têm uma cultura de integração. Têm já um trabalho feito. São equipas que já estão envolvidas no terreno e que tentam cativar cada vez mais as pessoas para a prática do desporto e integração social”, realçou o vereador do desporto da Câmara Municipal de Paredes, Paulo Silva.

Também presente no evento, Francisco Leal, vice-presidente da autarquia, frisou a “especial importância” do projeto desportivo na altura em que o concelho inicia o desconfinamento.

“Nada melhor que prepararmos o desconfinamento com caminhadas saudáveis e num projeto europeu. Ser saudável depende de todos nós sentimos ao longo deste ano que passou o que é estarmos presos, não podermos sair de casa.  Agora se temos a nossa liberdade devemos pensar em ser saudáveis. É importante que todos saibamos aproveitar os momentos e os projetos que são criados”, realçou.

O novo projeto local está integrado no projeto europeu GEOpard, liderado pela Federação Italiana de Atletismo, e é financiado pelo programa Erasmus.