Slider

PSD/CDS acusa câmara PS de Paredes de cobrar coercivamente dívidas a munícipes

O candidato da coligação PSD/CDS à Câmara de Paredes, Ricardo Sousa, considerou hoje “um escândalo” aquela autarquia socialista “cobrar coercivamente” dívidas dos munícipes, em plena pandemia de covid-19.

 

“É um escândalo. Ao contrário de outros concelhos que vão ajudando as pessoas e as famílias, [o presidente da câmara] Alexandre Almeida quer retirar, apesar de vivermos numa pandemia, dinheiro às famílias de Paredes, independentemente das condições em que possam viver neste momento”, disse o candidato.

Ricardo Sousa, que também lidera a concelhia social-democrata, falava em conferência, realizada na sede local do PSD.

Segundo referiu o candidato, a câmara de maioria PS está a executar “largas centenas de famílias e empresas” devido a alegados incumprimentos no pagamento da taxa de resíduos sólidos urbanos, refeições nos agrupamentos escolares e prolongamento nas creches e infantários.

“Isto é inacreditável e eu não consigo perceber como é que um presidente de câmara não entende o que está a fazer às famílias do concelho, quando as pessoas mais precisam de ajuda”, reforçou.

O social-democrata disse que as famílias e as empresas têm vindo a ser notificadas dos pedidos de cobranças, situações que, anotou, o PSD tem comprovado, consultando os documentos.

Recordou, por outro lado, que a autarquia deveria ter iniciado um “fundo de emergência municipal, como muitos outros municípios”, para evitar que a situação atual ocorresse.

“Alertámos antecipadamente que tínhamos de ter cuidado e proteger as famílias e as empresas do concelho”, concluiu.